tenho amigos que se consideram os super machos-alfa do bando, e passam o tempo TODO imitando os viados. O teor da brincadeira, que fazem entre si, sempre tem a ver com sexualidade. Na hora de pegar no pé uns dos outros, se divertem apontando as atitudes de “bichinha”, “coisa de viadinho”, de boiola, de gayzinho. São meninos bobos, eternamente medindo o pinto, e sempre se sentindo pequenos, pq não sabem ainda que essa medida é subjetiva. Afinal, macho que é macho não relativiza nada. É pau, é pedra.

O discurso que usam em público é o tradicional “não-tenho-nada-com-isso-cada-um-é-feliz-como-quer-só-não-vem-me-cantar”, mas é mentira. Não sabem como lidar com as diferenças, pq papi e mami ensinaram a separar pessoas por cor, práticas sexuais e conta bancária. Não cresceram, não amadureceram, ficaram no triste limbo da não-reflexão, do conforto da ignorância. Falam, em público, o que acham que “pega bem”, mas entre eles, soltam a franga, obcecados pelos trejeitos e práticas gays. Pela liberdade que não conhecem. Eles se ocupam muito mais em zoar as bichas do que em tentar ser os homens superiores puro-sangue que acham que são, mas não são. Isso, sim, é ter problema sexual.

2014-02-09 23.42.51

a rua está pesada. cenhos fechados, olhares duros. defensiva-agressiva bombando. a gentileza morreu. os sorrisos se apagaram. todo mundo defendendo o que acredita ser seu, com unhas e dentes, aos trancos, às cotoveladas.

as pessoas estão tristes pq precisam sair das suas casas pra morar em lugares que não conhecem, pq nao podem mais pagar o que cobram onde sempre moraram. as pessoas estão cabreiras. os ladrões invadem prédios e condomínios e roubam o que bem entendem e saem lépidos e fagueiros, como se nada houvera. as pessoas estão apavoradas com os preços, e trabalham cada vez mais, desesperadamente, só pra poderem continuar vivas, trabalhando cada vez mais, desesperadas pra pagar os preços que alguém atribuiu às coisas.

desculpem, não tenho nenhuma novidade boa pra contar. todas as novidades que chegam a mim, neste país, me fazem me retrair, me recolher, me intimidar, me fechar na minha concha enquanto faço planos de ir morar numa ilha deserta e viver de pesca e frutas. e só.

através do espelho

25/02/2014

linda! penso, me olhando pelo lado de dentro do espelho. flawlessme amo. nenhum dos meus defeitos aparece nesse espelho, embora odeie, mortalmente, muitas partes de mim. meu espelho filtra imperfeições e destaca qualidades. nele sou transparente, com tudo que tenho de bom à tona, no nível da pele, no brilhos dos olhos, nos cachos dos cabelos. uma beleza amorfa que me encanta exibir, narcisa de qualidades abstratas. 

saio pelas ruas, do país do espelho, ostentando minhas belezas sublinhadas pela subjetividade. qdo exercito o espelho do lado de dentro, sou linda pelada, apetitosa, uma fruta perfumada e suculenta. se me mordiscam, ali desabrocha um sorriso, se me sentem o cheiro, nalgum lugar brota uma flor perfumada, e uma borboleta vem, correndo, visitar. entre mim e eu, sou a mais linda das mulheres cariocas, uma beldade original do Brasil, miscigenada, um pouco armênia, um pouco índia, sou toda predicados, toda adjetivos. ninguém me vê como me vejo. for my eyes only.

do lado de dentro do espelho me desejo, me afago, me consolo da invisibilidade do lado de lá. não importa que uns não me olhem, outros me critiquem, que eu não esteja dentro de nenhum padrão de nada. devo admitir que, mesmo sendo quem sou, como sou, ainda assim, sou a mulher mais perfeita do mundo, qdo saio por aí, cabeça erguida, desavessada, desfilando aquilo que sou e que meu corpo esconde. beijinho no ombro.

volto de viagem desanimadérrima com o Brasil, em especial com o Rio de Janeiro, cidade da qual posso falar, pq é aqui que vivo. cansada de tanta caretice disfarçada, percebo que finalmente colhemos o que plantamos durante toda a nossa história recente: um povo sem educação, sem cultura, com valores tacanhos e preconceitos mil, ainda cheios daquela velha opinião formada sobre tudo. A ignorância, no sentido da palavra, é a maior escuridão, a maior cegueira. temperado por essa sensação de superioridade tropical, o narcisismo carioca virou uma bomba cujos efeitos estamos experimentando. estamos ainda no tempo da depuração, vivendo nossa idade média, nos digladiando e levantando a cabeça do opositor como troféu. torço pra, se voltar brasileira, que seja daqui a mil anos luz, qdo os dinossauros que habitam a mentalidade cristã-tropical, sejam apenas fósseis nas sombras do tempo.

Viajando sozinha, flanando pelas ruas de Londres, debaixo de chuva e sentindo muito frio,  me permiti um breve descanso de um ano intenso de batalhas e conquistas. acabei fazendo uma viagem onde o silêncio de estar sozinha se transformou num misto de reflexão e contemplação desse admirável mundo velho. Esse que o maravilhoso, feliz e colorido Brasil jamais experimentou ou experimentará.

Demorei a entender o que era que me deixava tão bem ali. lá, no meio da rua do cidadão comum, as aparências já foram, há muito, substituídas por outros valores e vc pode ser azul de bolinha branca, que ninguém vai te julgar por isso. vc entra na livraria mega cult e a mulher te atende com um aplique de cabelo tipo Maggie Simpson, com uma maquiagem anos 50, séria e feliz, sendo como quer ser. No restaurante comum, o garçom usa alargador de orelha, tattoo na mão, dreadlocks lilás, amarradas no alto da cabeça como um espalhafatoso espanador e pronto. e vc acostuma e para de olhar pra isso com espanto. assim como vc vê uma coroa com um garotão num pub, bem à vontade, e uma gorda namorando um magro e uma velhinha bebendo sozinha e um velhinho vestido como um personagem de cinema e casais multi-étnicos e multi-etários, multi-sexuais e suas crianças furtacor. vejam bem: pra mim, que ainda estou no mundo das aparências, essa foi a lente pela qual identifiquei a liberdade.

me pego levemente envergonhada pelo Rio, cidade onde a aparência é tudo, malhar é tudo, ser gostosa é tudo. a espécie ainda não evoluiu pra perceber as outras qualidades e faculdades humanas. aqui vc não precisa ser, mas precisa parecer ser.

em Londres, cansada e desprovida de td censura, vestindo a capa da invisibilidade, experimento momentos da grandeza humana, sua história, sua transcendência e suas conquistas. choro no museu, que abriga a sabedoria de toda a humanidade e é de graça e está lotado. choro com o primeiro portrait de um homem negro, ex-escravo, que ganhou sua liberdade na Inglaterra. choro com o concerto de graça, na linda igreja cheia de jovens. choro pq na minha terra, onde a alegria é linda imperatriz, ainda estamos achando o espelho a melhor paisagem, estamos nadando no aquário, tolos, como se conhecêssemos o mar.

Corro atrás do tempo Vim de não sei onde Devagar é que não se vai longe Eu semeio o vento Na minha cidade Vou pra rua e bebo a tempestade

à bientôt

27/01/2014

em junho deste ano, 2014, faço 50 anos.

este blog tem esse nome pq, qdo eu tinha 20, conheci a obra do compositor Erik Satie e me apaixonei. ele tem uma peça chamada Avant-dernières pensées, que quer dizer Penúltimos pensamentos. fiquei encantada com a irreverência dele e com uma frase que, naquele tempo, já me parecia completamente pertinente: “Disseram-me: Verás quando tiveres 50 anos. Tenho 50 anos. Não vi nada”. Aos 20 anos eu já achava isso totalmente plausível e hoje, na beira dos 50, percebo que eu antecipara uma sensação de permanente perplexidade que, no ano passado, me fez tatuar um ponto de exclamação no cangote. quero deixar bem claro que estou perplexa e, embora não tenha visto nada, vi muita coisa e permaneço aquela mesma garota que tinha sede de viver tudo. acima de tudo, estou perplexa por fazer 50 anos.

ano retrasado, aos 48 anos, eu só pensava em desligar os aparelhos, desesperada por problemas de dinheiro, saúde, trabalho e amor. tudo ruiu. ano passado, como resultado de todo o investimento da vida, with a little help from my friends, aos 49, renasci. estou vivinha da silva.

àqueles que pensam que tem uma hora pra desistir do sonho e ir fazer outra coisa, conto meu segredinho: depois de intempéries, contrariando todas as expectativas e indicativos, vou realizar, em 2014, aos 50 anos, com 26 anos de carreira, o meu sonho impossível.

qdo eu tinha 29 anos, uma mulher muito foda me falou: “aquilo a que vc se dedicar, daí virá o seu sucesso”. nesse meio tempo entendi que o sucesso muda de lugar o tempo todo. e a gente na estrada, caminhando, caminhando. e isso é bom. *

o movimento do desejo é constante, avante, ao alto, em espirais ascendentes tendendo ao infinito.

*aos que acham que apenas o pensamento positivo basta, aquele abraço.

piso fora da nuvem com a lembrança de uma linha que une o pescoço à orelha. uma dobra. e um cheiro bom. e o toque. tudo branco.

o mundo lá fora é plano. as pessoas se falam mas não se escutam. o mundo lá fora é bege. luzes artificiais, bons dias e boas noites. na nuvem só existe verdade. eu falo, vc escuta. vc fala, eu calo. qdo vc me toca, paro, qdo te toco, vc sente. nos ouvimos, nos tocamos, calamos. dormimos, muito. como dormimos bem. e os beijos. e os beijos.

vc me dá uma toalha branquíssima e enorme, tapete de Aladim, sobrevoando Ipanema. meu cabelo está com o cheiro de um xampu que nunca usei. seu desodorante tem cheiro de baunilha,  e eu, pq estou navegando, branca, em sua nuvem, uso também.

vc me oferece uma escova de dentes, fechadinha num pacote: “usa, é sua”. meu corpo está um pouco trêmulo, porque you touched me. sorrio pro fauno que me acompanha. sorrio pra mim mesma no espelho do banheiro, pra minha cigana vermelha, agora envolta na maior toalha branca que há. sorrio, estou aqui agora no melhor dos mundos, portanto, flutuo.

pelo telefone, vc pede pão na chapa com queijinho, café, água gasosa, que amo. vc bota a mesa. requeijão e geleia. segura meu rosto entre suas mãos, me beija na boca, me trata bem. me trata como mulher. piso, pé ante pé, quase vendada,  no atalho de delícias que vc me promete qdo diz: “as janelas são quase à prova de som”. entendo. desfruto.

depois falamos coisas muito sérias sobre a vida, ficamos em silêncio, teorizamos, de mãos dadas. e cochilamos, um sobre o outro. penumbra de quase vigília dentro dos olhos: não posso perder nenhum detalhe.

quando piso fora da  nuvem, entro no taxi sorrindo, peço pra parar no posto, compro sorvete de chocolate belga. vou pra casa, deito, fecho os olhos, o corpo todo agudo. I cloud. Bom. Bem bom.

i could have danced all night i could have danced all night and still have begged for more

timaço

19/12/2013

amanha faço o ultimo show deste ano. fazendo as contas, vejo que fiz em torno de três shows por mês, se somar todos e dividir pelo ano todo. é muito menos do que eu gostaria, mas é o bastante pra me manter em atividade permanente. pra 2014 quero muito mais, sai da minha frente que eu quero passar, pq o samba está animado…

este ano eu fiz tudo o que quis fazer. planejei e fiz. mas não fiz nada sozinha. a lição mais importante de todas é: ninguém faz nada sozinho. a segunda é: planejamento e fidelidade ao plano até o fim, com jogo pra pequenas manobras de adaptação e atualização de cartografias. jogo limpo, peito aberto e decisão.

finalizei meu disco, lancei meu disco com louvor, emagreci pro lançamento, fiz um crowdfunding que deu certíssimo, tive o apoio de quase 300 pessoas, tive lindas críticas profissionais, fiz vários shows diferentes, com gente e repertório novos, gravei o disco do Arranco que sai em março, malhei diariamente em academia, fiz amigos novos, vi os antigos, me diverti a valer, ganhei muuuito mais prestígio e respeito e reconhecimento como cantora, fiz  incontáveis gravações, ensaios, coisas importantes e legais, sai da depressão abissal do ano passado, encontrei um médico maravilhoso, um produtor incrível, uma fisioterapeuta maravilhosa, uma empresária maravilhosa, uma produtora foférrima, uma equipe de deixar qq um de coração mole, músicos os melhores e mais queridos, uma gravadora dos sonhos. e fiz grandes, imprescindíveis, noitadas. mas nunca, em nenhum momento, fiz nada que não tivesse a colaboração de outra pessoa. meus parceiros, meus amigos, minha família, meus colegas de copo e de cruz. agora entendo bem o plural de modéstia. aquele em que o cara sempre fala “nós fizemos”, pra não dizer “eu fiz”.

e o resto? ah, pra mim não existe resto, não separo a minha vida pessoal da minha carreira, não separo a diversão e o amor do trabalho e nunca paro de trabalhar ou de pensar em trabalho. não que eu seja uma obstinada louca, que anda com um timer na bolsa, uma calculadora e um personal coach à tiracolo. mas por dentro nunca tiro férias, não descanso no fim de semana. faço tudo ao mesmo tempo, vou à praia enquanto componho, estudo enquanto cozinho, tudo misturado. estou perfeitamente alinhada com meu desejo, com meus novos sonhos e com o que virá, um universo desconhecido, onde mais uma vez vou trabalhar e viver, me divertir e sofrer, tudo junto, como sempre. essa é a vida que eu quis: amalgamada, misturada, apaixonada, grudenta e apegada com a música. a música é a minha família, minha prole, meu amor eterno e minha fonte de vida, de problemas, de trabalho, de lazer e de prazer. meu tudo há 25 anos, que nem senti passar. mas sem meus comparsas, meus pariceiros, meus cúmplices, meu time e minha torcida, eu não teria feito nada.

sujeito homem

13/11/2013

você pode tocar guitarra como um deus, ser o mais virtuoso de todos. 

você pode ser lindo de cair o queixo e ter o corpo perfeito

você pode ser simpático, agradável e até inteligente e bem humorado

mas se você não for sujeito homem, não serve pra nada

fulana de tal

05/11/2013

num dos corredores do supermercado, ali entre os ovos e os legumes, dou de cara com uma imagem familiar de mulher. minha memória paquidérmica corre atrás dos dados, fazendo um total scan muito veloz e me devolvendo a resposta na fila do caixa rápido de 15 volumes: é a fulana-de-tal!

fulana-de-tal foi minha colega de colégio. era das sete maravilhas da escola, atrás de quem se formavam filas de garotos, os mais lindos, os mais bacanas, os mais tudo. ela declinava com toda suavidade feminina, sua timidez perfeita, seu recato delicado e sua atitude de princesa disney: um meio sorriso de cabecinha torta, os olhos muito azuis virados pro chão. na festa, não bebia nem fumava nada. não tomava aquele pileque de martini com a gente. não falava palavrão. não cantava, nem tocava violão, não fazia teatro, nem entrava nos festivais e nunca chorou no banheiro abraçada à melhor amiga. ia embora cedo, sem beijar na boca de ninguém, o que aguçava o apetite de lobo mau pra cima dela. linda, tímida e virgem, praticamente uma santinha de novela das seis, uma prenda. e tirava 10 em tudo. insuportável.

fulana-de-tal era a mais linda das lindas. uma perfeita chata que eu invejava com todas as minhas forças. eu queria ser ela por um dia, saber como seria ser adorada e endeusada, aquela fila de lindos garotos, à beira do altar. eu, a gordinha que nunca fez sucesso com os meninos, que falava palavrão, bebia, fumava, era a última a sair da festa, já tinha perdido a virgindade sem glamur nenhum, tocava violão e cantava, ria alto e dava beijos escandalosos, e vomitava de madrugada, cuba libre, martini, cigarrinhos de vários tipos e culpa. muita culpa e uma vocação fatal pra ser mal amada.

pois é, senhoras e senhores, fulana-de-tal, que me perdoem os politicamente corretos, está um bagulho. um ba-gu-lho. sobre sua figura matrona paira apenas a sombra daquela feminilidade delicada. os olhos azuis estão lá, atrás de centopeias de rugas nos olhos. engordou, perdeu o viço, está com o pescoço empapado. tá, eu tb embagulhei, mas eu nunca fui uma princesa encantada. e agora eu sou cantora, sorry, fulana, aliás, baranga-de-tal.

o carrinho de compras da fulana-de-tal era modelo classe média standard: carne moída, coca zero, pão de forma branco, salsicha, margarina, bisnaguinhas, requeijão, macarrão, tempero pronto, molho pronto e muita mussarela. deve ser por isso que ficou esse bagulho, penso do alto dos meus 16 anos, rindo, por dentro, a bandeiras desfraldadas, finalmente vingando as dores da juventude e lembrando da fala da madrasta da branca de neve: “maldita, eu me vingarei!”

gozo

15/10/2013

um dia ficou na moda ser grato. e aí é um tal de ter que agradecer por estar vivo, por estar saudável, por ter o que comer, por ter filhos lindos, por ter braços e pernas. o tempo inteiro as pessoas agradecem por tudo. mas no facebook, para tornar publica a gratidão. que graça tem ser grato sem avisar pra todo mundo, a toda hora? ser grato é uma modinha chata.

mas se vc é grato vc é fofo.

ficou na moda, também, espetacularizar a vida. qq festinha é um festão, qq showzinho é um showzão, qq chopinho é uma noitada, qq praia é um praião. uhú! neste mundo pirotécnico, venceu o travecão, que sai sempre por cima, montada, só no carão. tudo é superlativo, pq é obrigatório ser super feliz e super resolvido e super pró-ativo, e fazer sempre programas incríveis, na direção da alegria de viver em 24 qps*, cada quadro uma foto do instagram, explodindo de alegria e felicidade ou fofura ou delícia ou amor ou carinho ou amizade. vida-espetáculo é outra modinha chata.

mas se vc é grato e tem um momento super feliz atrás do outro, vc é uma pessoa fofa e incrivelmente hype.

tem  também a ditadura da auto-estima. vc tem que se amar, se amar muito. a chave de tudo é se achar maravilhosa, se valorizar acima de tudo, a qq preço, atropelando, com orgulho, tudo e todos que ousem não bajular a sua divindade. é viver na base do “eu mereço o melhor pq eu sou maravilhosa”, do “me cuido porque eu sou foda”, é falar “desculpe, estou ocupada demais sendo feliz”, cercada de gente que suuuper te valoriza.

se vc é grato e tem um momento super feliz atrás do outro e ainda se ama acima de todas as coisas, vc é uma pessoa fofa e incrivelmente hype, e ainda por cima é fodona e guerreira (as mulheres adoram esses adjetivos).

perdoem. prefiro gente viva, que desce do salto sem medo de por o pé na realidade. prefiro a massa real. gente que é feliz quando é pra ser feliz, mas que aceita a polaridade da vida, que comete erros, que acerta, que faz merda. que tb se descuida, que tb reclama, que não se acha mais merecedora que outros, que não caga regras de felicidade prêt-à-porter, que sabe que é todo mundo igual, que tb fica puta, que se sente a última das criaturas uma vez ou outra, que ri e que chora, que vai a festas ruins de vez em quando e que, às vezes, nem tem festa nenhuma pra ir. e que não vive desejando que tudo esteja sempre luzindo, estourando em foguetes, pipocando, gliterizando, num eterno por-do-sol de cartão postal, num mundo de tolos.

vida real. eu gosto. eu gozo.

é pau é pedra é o fim do caminho é um resto de toco é um pouco sozinho

 

*qps = quadros por segundo

 

saÍ de casa atrasada para o casamento. ainda tinha que passar no caixa, tirar dinheiro, passar no supermercado e comprar uns não-perecíveis que os noivos pediram como colaboração para a comunidade espiritual da qual fazem parte. botei vestido novo, pintei cabelo, fiz as unhas, me maquiei. merda, não tenho sapato! fui, afobada, meio capenga, me sentindo vazia, uma solteirona incorrigível, feia, velha, gorda, pobre. hopeless.

casamento lindo, velas, esteirinhas e almofadas de chitão espalhadas pelo gramado, a descontração da festa e das pessoas, a alegria genuína sem pose, sem boá de plumas e óculos ridículos e sandálias havainas de brinde. ninguém se fantasiou para ir a essa festa, ninguém fez um cenário de cindelera. era a vida simples, colorida e linda como ela é. depois da choradeira, a alegria foi coroada com uma linda roda de samba, da qual participei cantando coisas de amor. fui contagiada pela felicidade do casal, pelo vinho, pelos amigos. sosseguei.

de repente, numa roda de amigos, me chama a atenção uma mocinha morena, muito sorridente e magra, em cujo colo se podia ver, sob a finíssima pele, um marca passo. de algum lugar da memória, vem a lembrança de uma campanha para arrecadar fundos para uma moça que havia descoberto um câncer terrível, em estado bem avançado, com uma chance de tratamento na Alemanha. O rosto dela veio num flash. Era ela. lutando a favor da vida, há anos, incansável, determinada, sorrindo no samba.

o marca passo aparente evidenciava, como uma bomba relógio, os tiques e taques do tempo que se apressa, não só pra ela, para todos nós. uma ampulheta silenciosa correndo e avisando, como o coelho da Alice: é tarde.  é a morte que faz a felicidade urgente.  chorei, no banheiro da festa, pela moça do marca-passo ali sorrindo, conversando, como se nada estivesse acontecendo, com a vida por um fio, mas querendo, com todas as forças, continuar no samba. desejei ter super poderes pra mudar o rumo da história. lembrei, imediatamente, de abraçar meus amigos, de ser grata pela vida, de cuidar da saúde. e de parar de reclamar do sapato ou de ter que pintar os fios de cabelo branco, que me avisam duas coisas: o tempo passa. mas você está viva. vamos sambar.

amor-chinelão

12/09/2013

não, eu não acho todos os casais fofos e nem acho que as pessoas ficarem juntas por anos e anos é, necessariamente, uma vitória linda . acho que a grande maioria dos casais se suporta. vê-se nos olhos aquela tristeza existencial, aquela mornidão, aquele silêncio na hora do jantar. e aquele apego ao fato de ser alguém que tem alguém. ao meu ver são poucos, raros, os companheiros que se gostam, que se acompanham de verdade. a maior parte permanece cultivando o  improvável oásis do felizes para sempre, do juntos em todas as horas. mas, a maioria dos solteiros se sente só, diz a moça. e a dos casados, também. até pq, um casal morno mal faz sexo e não se diverte mais. é só um casal, um objeto pra tirar foto.  e viveram infelizes pra sempre.

mas, o mais deprimente de todos é aquele casal que já se separou pq o negócio ficou chato, um dos dois se apaixonou por fora, foi viver sua paixão, feliz da vida, e o outro ficou arrasado. e aí… aí, depois de um tempo, acaba voltando pq as paixões acabam ou ficam chatas como o casamento. a vida é dura, né? a pista é escorregadia, dá trabalho, é difícil encontrar uma pessoa bacana. e, bem, o que mais deseja um pé cansado da pista do que um chinelão? aí eles voltam.

amor-chinelão. to fora.

minha fé

10/09/2013

Escrevo esta oração

Para aceitar aquilo que posso mudar

Reiniciar, desapegar

Escrevo esta oração para  mudar de fase

Para abrir os olhos para olhar a luz

Para seguir em frente

Para aceitar o amor no coração

Para aceitar presentes

Para ser grata

Escrevo esta oração

Para saudar a vida

O que nos é mais caro

O amor que nos une

O céu que nos protege

Os mistérios do mundo

A liberdade

De pedir

De dar

De agradecer

De mudar

plano ideal

07/09/2013

o único lugar do mundo onde eu gostaria de estar, além deste em que estou, plenamente viva e feliz, seria numa casa plantada na areia de uma praia muito branca, sem vento, de mar muito limpo e calmo, onde eu pudesse estar. simplesmente acordar, a qq hora, e pisar na areia com uma caneca de café e depois mergulhar e depois dourar até tostar. até o cabelo guardar um cheiro de sol.

só pra começar.

bonus

06/09/2013

ei, vc que visita meu blog, sabia que todas as fotos que estão aqui são feitas por mim e que, pra cada uma delas, escrevo uma frase de uma canção que tem a ver com o tema do post? é só vc passar o mouse por cima da foto.

vai vendo ;)

anonimato

29/08/2013

a melhor coisa de estar num lugar onde ninguém conhece a gente é ver que, tudo aquilo que a gente acha que é, nossos predicados, nossa identificação, nossos títulos, tudo o que nos descreve no lugar onde vivemos, vira nada, serve pra nada, zera. na multidão anônima somos mais um ninguém, mais uma foto num porta-retrato, um nome e uma história, como tantos outros, como todos os outros.

arte*

16/08/2013

Há um lugar onde só a arte nos leva. No seu colo generoso, sem etnia, sem gênero, sem estratificação social, sem educação e sem pátria, só ela é capaz de convidar a mergulhos inomináveis, e provocar sentimentos sem precedência; em todo o léxico nenhuma palavra a descreve. E por isso a experiência da arte é peculiar, arrebatadora, orgânica e individual. Acorda o corpo, desperta os sentidos, sacode a poeira, instaura novidades. Desafia o entendimento e faz perguntas que não sabemos responder com a pequenez da nossa vivência adestrada para gostos, sabores, achismos e definições. Só arte é capaz de, sem compromissos, afirmar a essência da natureza humana. Só a arte nos compreende, só a arte nos traduz, só a arte nos redime.

A arte projeta luz na matéria anterior ao pensamento, incita sinapses, cutuca e conforta. Como uma reza, apazigua a alma dos incompreendidos e acorda os mortos do mais-ou-menos da existência cheia de limites do corpo, da forma, da medida, do saber, dos nomes, dos predicados, dos sujeitos. A arte é o homem em toda a grandeza das suas possibilidades.

A arte é a divindade a quem me rendo, na frente de quem me ajoelho e peço, em oração, para jamais cair na solução fácil do pequeno poder do saber pífio, das reduções. É na arte que me largo nos braços da dança cósmica, que me liberto para ser filha do universo, criatura criadeira, um ser uno em consonância com todos os tempos, irmã de todos os mistérios ainda por revelar, sem a pretensão de dominar segredos ou formular soluções. Ante sua arrebatadora majestade, choro de amor, humilde súdita. Só beleza, perplexidade, entrega, aprendizado, alegria e doação. A arte é deus.

*este post foi provocado pelo musical Gonzagão – A lenda. Uma das coisas mais lindas que eu vi na vida. se derem a sorte, vejam.

beijo

10/08/2013

“a gente ainda não se beijou porque, no dia em que a gente se beijar, a catedral do Rio de Janeiro vai decolar feito uma nave, e as pedras portuguesas vão descolar das calçadas, e a escadaria do Selarón vai virar um tapete pra gente passar e a Lapa vai parar’.

só por isso que a gente ainda não se beijou,

só por isso.

- lave as mãos qdo sair do banheiro;

- lave as mãos antes de tocar aquele lugar sagrado do ser amado (tá, nem precisa ser assim tão amado ou tão sagrado). ninguém merece ser tocado com mão de rua, de dinheiro ou de corrimão de ônibus;

- use metade do perfume que vc está habituado a usar. nunca, sob nenhuma hipótese, no rosto; perfume é atrás da orelha, no pescocinho, na dobra do braço e só. senão, qdo vc dá dois beijinhos pra cumprimentar uma moça, vc carimba ela pela noite toda. e ai, a moça que veio com cheiro de moça, fica a noite toda com cheiro de rapaz;

-  se vc usa perfume, use desodorante sem perfume. e se usar após-barba, dobre o cuidado com as misturas. ninguém aguenta tanto conflito, principalmente a pessoa que está colada em você, te abraçando e te beijando;

- se vc bebe cerveja, escove os dentes antes do beijo de bom dia. o bafo de cerveja dormida derruba qq entusiasmo matinal. aliás, escove os dentes pelo menos duas vezes ao dia e sempre antes de sair pra namorar;

- se vc ronca, não espere que a criatura ao seu lado se adapte. cuide-se;

- especialmente, dê oportunidade para a moça decidir em que momento ela quer abrir seu fecho-éclair;

- nunca se esqueça, sequer por um minuto, que carinho é bom, muito bom, e todo mundo gosta!

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 768 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: