a gira

05/09/2011

a roda gira numa velocidade frenética. sei que nao é assim pra todo mundo. mas as pessoas também não estão prestando atenção ao que está em volta. a vida é suficiente. dinheiro, não. por isso é melhor ser do que ter. ser não acaba e pode mudar o tempo todo. a gente chora, é mais um giro da roda. depois ela para em outros lugares, melhores e piores, on and on. pisar o chão, cantar uma canção, comer um doce, mergulhar no mar, como dar valor ao banal, como ter certeza de que os sentidos estão plenos, ligados para perceber a tonalidade de cada elemento que nos atravessa e apreciar a sua particularidade e impermanência? difícil é focar no que o tempo trás, não no que ele tira. há glamur na vida, mesmo de cara lavada e tênis. mesmo sem um puto no bolso. de repente, pintar as unhas me pareceu uma coisa estranhíssima, logo eu, que nunca economizei nos adjetivos. os amigos nos mostram quem somos, porque os escolhemos e porque fomos escolhidos por eles. algumas amizades merecem ser mantidas por questões históricas, para que possamos nos reconhecer depois que a gente tiver se modificado completamente. fazer amigos novos é uma das boas coisas pra se fazer na vida, sempre. favor nao confundir intimidade com invasão de privacidade. gosto mais de mim quando a pomba gira está de frente. ah, os homens gostam, sim, das gordinhas.


%d blogueiros gostam disto: