Respeitável público,

Descobri que ganhar dois minutos do dia de uma pessoa é a coisa mais difícil do mundo! Mas vcs, que já gastaram muitos minutos comigo, são diferentes. Então eu queria pedir pra vcs assistirem a esse video aqui, que demora só um cadinho mais que dois minutos:

A realidade é a seguinte: preciso de ajuda para levantar fundos pra lançar o meu CD Jamba, do qual vcs tanto já leram por aqui. O custo é altíssimo, mesmo pra fazer a mais simples das produções. Precisamos de R$!5,900. Tirando taxas e custo, sobram R$10 mil pra nós, pra pagarmos tudo o que precisamos, de equipe a material de divulgação. Juro que essa grana só dá pra saída.

Até agora, mais de 100 pessoas 

já colaboraram. Já atingimos mais de 50% do total, estamos otimistas e felizes com tantos colaboradores e repetidores, amigos que compartilham, arrecadam, torcem e botam fé. Só falta você para chegarmos a 100%. Temos apenas 15 dias pela frente até o fim do prazo, e o show está marcado para o dia 25 de maio, na Sala Baden Powell, Copacabana.
Para colaborar, basta você participar da nossa vaquinha virtual. Você entra neste link http://catarse.me/pt/jamba escolhe a quantia que quer dar e vê o que você vai receber em retribuição à sua ajuda. São CDs, ingressos para o show e outras coisas legais. Todos os valores são recompensados.
Qualquer quantia, a partir de R$10,00 é bem vinda e indispensável pra nós. No site, explicamos como funciona e como vamos empregar o dinheiro. A coisa toda é feita para ser fácil, mas se você preferir, pode me escrever para que eu possa tirar suas dúvidas.
Aqui tem duas críticas sobre o meu trabalho, pra provar que não é só a mamãe que gosta 😉
Crítica de Antonio Carlos Miguel, n’O Globo online http://g1.globo.com/musica/antonio-carlos-miguel/platb/2013/02/28/querido-diario/
Crítica de Beto Feitosa para o CD Jamba – http://www2.uol.com.br/ziriguidum/1302/130221-01.htm
O meu canto é uma missão, tem força de oração E eu cumpro o meu dever Há os que vivem a chorar Eu vivo pra cantar e canto para viver Há os que vivem a chorar Eu vivo pra cantar e canto para viver 
obrigada, queridos, muitos beijos com amor,

coragem

25/11/2012

com os sentidos aguçados por uma tarde no estúdio, gravando, entro num ônibus, no Jardim Botânico, e vou indo pra casa. tô sem dinheiro, numa prontidão sem fim, sem hora, sem compromisso. missão mais que cumprida. se eu pedir mais ainda da vida, acho que ela se zanga.

fecho os olhos. a medida boa da tensão. entra um moreno no ônibus, me olha. olho de volta. libido acesa: viva.

fecho os olhos, pensando em como tenho a sorte de estar onde estou e de ser quem eu sou, e me enjoo, fortemente, da minha forma de pensar. sempre tudo arredondado – como se fosse possível dar forma aos pensamentos -, e vou classificando, criticamente, minha forma de ver a vida: doce, macia, côncava, intra, yin. receptiva, feminina, toda potência e majestade. enjoada, sorrio de mim. quanta ilusão há nas imagens dos momentos, nesses instantâneos de felicidade. aproveito pra relaxar, pq sei que isso não dura: daqui a pouco estarei outra, mudando como mudam os ventos, as florações, as marés e essas coisas da natureza. na próxima volta do parafuso estarei dura, chata, puta, azeda, irônica, convexa, masculina, yang.

sigo pensando nas formas e chego no meu bairro, lindo, caótico, no primeiro dia dos próximos 4 anos de obras. reclamar? nem devo. o Rio de Janeiro está se redesenhando. penso na história das cidades, nos movimentos das massas e me repreendo: porra! de novo pensando redondo!?

duas amigas vêm à minha casa beber e falar.falamos todas ao mesmo tempo, como só as mulheres conseguem, escutamos tudo e morremos de rir. a noite nunca tem fim.

me falta agudizar as coisas, deixar as arestas cutucarem, estourar a luz. me falta coragem. logo eu, Andrea, cujo  significado, dizem, é exatamente esse: coragem.

amanheceu.

alô, mamãe!!!

28/07/2010

Eu nem sempre advogo em causa própria por aqui, mas desta vez é irresistível! É a primeira vez que tenho uma música numa trilha de novela. A música, que  está na trilha de Tititi, é A linha e o linho, de Gilberto Gil, que eu gravei no CD O amor de uns tempos pra cá, em duo com o Marcus Nabuco, em 2007.

A gente acha mó  barato qdo recebe a notícia, depois não dá muita importância, mas na hora em que a música toca pela primeira vez, dá um pang daqueles…

Eis o link para a cena.

Aos torcedores, meu cordial obrigada!

%d blogueiros gostam disto: