O lugar de post mais lido da história deste blog, que faz 6 anos em julho, oscila entre esse post e esse.

O primeiro, chamado Pronto, falei! eu escrevi em fevereiro do ano passado e teve, só ontem, 49 visitas, e mantém esse tráfego, permanentemente. Um fenômeno! Emiti uma opinião sobre a calça saruel e a sandália gladiador. Opinião mesmo, baseada em gosto pessoal, parcial.  O post é, disparado, o que mais recebeu comentários e mais foi citado em outros blogs.

O mais lido, no entanto, foi um post chamado Fazendo kelvi sem parar, que vem a ser uma técnica sexual que eu conheci num orelhão. Coisas de Copacabana.  Mas os comentários são poucos, pq as pessoas não comentam certas coisas…

Adoro ficar aqui lendo as estatísticas do blog, vendo o gráfico mudar de desenho e concluir o óbvio: o povo gosta, mesmo, é de sacanagem…


A coisa que mais me aflige na vida é a opressão. Tenho asco verdadeiro de gente que usa poder de qq ordem para oprimir e manipular fracos, pobres, pretos, famintos, despreparados, desesperados, necessitados, ignorantes, incautos e ingênuos.

Sei que minha opinião não faz a menor diferença, mas disputando a pole position da minha lista negra de poderosos que cresceram oprimindo e enganando as massas, estão:

– o(s) papa(s) e seu rebanho de funcionários com problemas sexuais (nenhuma pessoa normal faz voto de castidade, né? habla sério…)

– edir macedo e sua horda de pastores roucos de tanto gritar (nenhuma pessoa normal tira dinheiro dos fudidos gritando daquele jeito, né?)

Que queimem nos respectivos infernos, que eles mesmos inventaram para dominar as massas

Luanda Cozetti é uma cantora cujo privilegiado ouvido harmônico a deixa livre para voar nas melodias, sem nunca perder a noção do caminho, voltando sempre que precisa para dar um alô ao tema, ao tempo, ao mundo dos mortais. Depois volta feliz para suas escalas de improviso e voa, voa. Intérprete inteligente, que diz a letra da canção, é a cantora mais técnica que já presenciei cantar. Para mim, Luanda é top, pq sua técnica não a atrapalha, jamais.

Luanda Cozetti está “a viveire” no ultramar, em Lisboa, que lhe deu ouvidos muito melhores do que o Brasil consegue dar.

*

Dindi, de Tom Jobim.

Taryn Szpilman pintava os cabelos de vermelho boneca quando eu a conheci, cantando na Rio Sound Machine. Um dia, chegando mais perto, notei que ela precisava retocar a raíz… loura! Até então eu só tinha visto loura de raiz preta. Taryn é loura de raiz, mas é esperta como se morena fosse!

Taryn tem aquilo de que ando falando na série cantoras: presença, sangue nas veias, timbre, afinação e personalidade. Faz o que quer com a voz black and blue, passando pelo jazz e pelo rock com louvor. É dona da sua voz e da sua praia. Além de tudo é linda, a bandida. Eu nem sabia, mas hoje é aniversário dela, então vai aí a homenagem. Senhoras e senhoras, com vocês

*

* Cristina, de Tim Maia e Carlos Imperial

ps: a banda é um es-cân-da-lo!

Elis Regina é unanimidade, certo? Todo mundo acha Elis a melhor cantora do Brasil, certo? Errado. Cada vez mais tenho ouvido gente falar que não gostava da Elis, que achava ela debochada, antipática, que não gostava do repertório dela. Apesar de conquistar o público com sua emotividade e entrega, ela nunca foi uma cantora fofinha, namoradinha do Brasil. Tinha personalidade forte, escolhia músicas de compositores desconhecidos. Pra nós o repertório dela é hiper conhecido e  palatável. Na época não era. Mas a Elis cantava de rachar. Ontem, no rádio do taxi, fui surpreendida por uma Curvas da Estrada de Santos sinuosa, arrojada, quente, apaixonada. A voz fazendo milhares de percursos diferentes, de emissões, sem nunca perder o fio da interpretação, Elis se integrava ao que cantava, se misturava, la sangre…

Aqui, as curvas da estrada de Elis que, gurinha mermo, teria feito apenas 65 anos. Imaginem como ela estaria cantando agora? Ai, ai…

*

* As curvas da estrada de Santos, de Roberto e Erasmo

revendo amigos*

22/03/2010

*este post tem trilha sonora. pra ouvir enqto lê, é só clicar na setinha de play. prepare o lencinho (como diria a sonia hirsch)

Saudades do Dé, do Pedro e do Romita, de quando nem éramos quase gente, mas estávamos ensaiando juntos. Meus primeiros amigos.

Do Rostand, cujos braços ocupavam mais espaço do que dois braços humanos conseguem ocupar. E cujo abraço abraçava tudo. Solar, como gostava de praia! Do Lobo, do Mauricio, do Renatinho, do Weberrr e do Gaúcho. Pro dia nascer feliz em São Vicente.

E do Josias, que recitava poemas densos, de dentro do mar de Rio das Ostras, à noite. Sobre nós, só o luar mais branco do planeta e as constelações, em ebulição, morrendo e nascendo. E nós, jovens de doer, cheios de tudo: poesia, precocidade, música e certezas. Certos e fartos de nós. Esses dias ele se foi, o coração o levou, de súbito.

E do Dudu, que aparecia com caixas de cerveja bock que a gente bebia no gargalo, sentada no capô do carro, naquele posto de gasolina da esquina da Maria Quitéria com a Lagoa. A gente ria, ria, ria, ia pra casa e continuava bebendo e rindo até o dia clarear e ainda um pouco mais: “você não está confundindo felicidade com pileque?” Quem é que pode explicar porque ele partiu? As tias que eram primas, Cezinha, Paulinho Bi, Sergio Serra, Rodrigo Campello. César Conti, implacável, malabarista: “retífica” verdadeira. Se foi, também. Onde andam Coruja, Xando, Zé Octávio, Toco e Paulo Thiago? O Jobi era nosso.

Saudades das quintas-sem-lei com o Carlucho, onde tudo que há se viveu, se falou, se comeu, se bebeu. Em todos os lugares, casados ou solteiros no Rio de Janeiro. Cabeludos, carecas, gordos ou magros. Nós. Pensantes. Amigos.

E do Robson, que me ensinou metade de quase tudo. Do Felipe, Brunim, Rodriguim, Bebetão e do Ronaldo, João, Paulinho, Pauleira, Alex, Marcelo e Giraia. E do Pedro e do Marquinho e do Esquilo e do Claudinho, Dema, Nabuco, Rodrigo e Edu. Moy, Diogo, Vi, Sylvio, João, Mattosão, Zé: eu amo vcs.

Como se vê, existe amizade entre mulher e homem.

Muita gente me pergunta o que escuto, em quem me inspiro, quais as cantoras que admiro.  Isso realmente não importa, nem qualifica ou desqualifica ninguém. É questão de gosto pessoal. Mas, como diz um amigo: Gosto É O QUE se discute. Então vamos discutir.

Tentando definir o que gosto num(a) cantor(a), cheguei a algumas reduções. Uma vez eu ouvi a Leny Andrade dizer, das profundezas de seus graves: “cantora é timbre”. Concordo. Timbre é assinatura e, como tal, é intransferível, inimitável. E sangue. Cantoras exangues e assépticas não mexem comigo. E intimidade. Tem gente que não se apodera da própria voz, como se a voz morasse do lado de fora. Cantora, pra mim, tem que ser dona da voz. Sobre domínio da afinação, coisa rara, tenho um especial apreço. Desafinação e semitonação só se for por conceito. E por fim, a cantora tem que servir à música. A voz é apenas a ponte por onde a música passa, de dentro, pra fora. E a cantora dá a cor, o tom, o perfume.

Para inaugurar nossa série, vou começar pela Leny Andrade, que recentemente me fez chorar durante um show inteiro e voltar no dia seguinte. Coisa que não me acontece nun-ca! Aqui, ela canta Ilusão à tôa, obra-prima de Johnny Alf, que morreu recentemente. Para degustar.

cafonices

21/02/2010

Categoria hors concours – Paris Hilton. Justificativa: pelo conjunto da obra.

1 – As unhas da moda, fosforescentes e rosa chiclete.

Justificativa: A pessoa lê na revista que essas são as cores da moda e acha lindo o que ela mesma achava horrível.

2 – Os óculos da moda – outro dia tinha uma menina muito magrinha, na praia, caminhando toda se achando, com uns óculos maiores do que ela.

Justificativa:  Parecia uma criança brincando de adulta, com os óculos que roubou da mãe.

3 – Gente que chama cachorro de filho.

Justificativa: A espécie humana não é capaz de produzir cachorros. Pode ser seu amor, seu cachorro amado, mas seu filho, não.

4 – Usar chapéu pra dizer que é malandro da Lapa.

Justificativa: “… o homem que diz sou, não é. “

5 – gente que fala nome e sobrenome quando se apresenta ou apresenta alguém, não apenas pra identificar, mas pra “agregar valor” à pessoa.

Justificativa: Supõe que um sobrenome qualifique uma pessoa.

6 – Gente que fala sobre si mesma:  ” Aqui é a DOUTORA fulana” .

Justificativa: Supõe que um grau de escolaridade qualifique uma pessoa.

múltipla escolha

09/02/2010

fazer as malas, sumir no mundo, chutar o pau da barraca, queimar ônibus, fazer barricada, declinar, ser dada como desaparecida, pedir concordata, escrever na calçada, fazer greve de fome, fingir de morta, pedir pra descer, desligar os aparelhos, parar as máquinas, saltar e pegar outro, mudar de país, ficar loura, entrar pro crime organizado, fugir com o ladrão boliviano, abrir falência, mudar de nome, perder por WO, jogar a toalha, pendurar a chuteira, aposentar a sapatilha, atear fogo às vestes, botar a viola no saco, entregar os pontos, queimar os navios, abdicar, renunciar, fazer forfait, perder o rebolado, chutar o balde, amarelar, saída honrosa, retirada estratégica, atravessar a grande água

sabe lá o que é morrer de sede em frente ao mar?

livre associação

17/07/2009

preciso de um sapato novo, baixo e fechado e de um alto de bico redondinho, bem fofo, mas odeio todos que vejo. e acho caro. tem dias em que sinto uma pena e uma saudade de doer, mas de doer, mesmo. meu cabelo está uma cafonice só, sabe cabelo meigo? onde fica o ctrl+z? parece que nunca mais vou amar e ser amada. preciso urgentemente de férias de verdade. maldição de ex-marido é pior que praga de sogra. procura-se um gatinho achado na Lapa e perdido em Santa Teresa, no Curvelo. Paga-se bem. “vc virou a Beyoncé!” foi a melhor do ano, so far.  preciso urgentemente de um produtor-padrinho. quero viajar pelo mundo cantando em mil festivais maravilhosos e conhecendo pessoas e vivendo o que há pra viver. onde fica a porta de entrada? aquela do Caneca tb foi fofa, mas foi no ano passado! preciso de uma editora pra editar meus livros, acho que são bons. a praia ainda é o melhor lugar do mundo. queria conseguir dizer o texto que fica parado no balaozinho acima da minha cabeça, enquanto eu falo a fala de outro personagem. não ter nada é um conforto, a bagagem é leve. eu tenho um vidão de cinema, ninguém nem imagina. se eu conto, parece mentira, então nem conto. ou será o vício dessa lente que me dá esse olhar? toda mulher é meio leila diniz. o mais dificil de tudo são os cálculos do porvir, os lançamentos futuros da vida. quem sabe ou pode fazê-los?

desde o dia em que passei numa esquina, pisei num despacho, bem que procuro a cadência e não acho

A Elisa, minha amadíssima amiga e colega de Arranco, fez um post com esse título aí, que eu tb to usando. A lista roubou meu sono, tanto, que a resposta ao post dela virou post-proposta aqui, tb.

 Já que ela tinha escolhido seis, tb escolhi seis. Depois de escrever foi que eu vi que ignorei o critério nostalgia, tá? Vai assim, mesmo…

…meu coração ateu quase acreditou na sua mão, que não passou de um breve adeus… (Sueli Costa)

… tenho um sono mais tranquilo do que isso e aquilo que vc me prometeu. E a verdade mais doída é que o rasgo da ferida nunca mais doeu… (Guilherme Rondon – Iso Fischer)

…pois é, assim é o nosso amor, do arco-iris a oitava cor, um presente ao céu, supra sumo do mel, acalanto que faz dormir em paz…(Sombra – Sombrinha – Luiz Carlos Da Vila).

…como? se na desordem do armário embutido, seu paletó enlaça o meu vestido e o meu sapato ainda pisa no seu… (Chico Buarque)

…um fogo queimou dentro de mim, que não teve jeito de se apagar, nem mesmo com toda a água do mar. Preciso aprender os mistérios do fogo pra te incendiar…(joyce e ana terra  e mauricio maestro)

… fogo insidioso do destino marca no meu corpo a sua trilha. quem ousa querer me amar assim, pra me fazer de ilha?… (fatima guedes)

E vc? Qual a sua lista?

certas canções que cantam batem tão dentro de mim, que perguntar, carece, como não fui eu que fiz

circo orlando orfei

panqueca com sorvete no pancake

tobogã da lagoa

tivoli parque

tom e jerry no drive in da lagoa com batata prussiana, aquela xadrezinha, na sessão coca cola

sorvete com calda moreto, aquela durinha de chocolate, no rick

autobol – futebol de fuscão

suco yuky de pêssego

feira da providência na lagoa

lápis do bambu fino

incenso de cone e pulseiras da india house

sorvete de cafe da yopa

creme rinse colorama

galeto no braseiro da rua montenegro

rua montenegro

bala toffee

pier de ipanema

valsinha do chico buarque

horizonte perdido

clube monte líbano

cereja ao marraschino

breu na sola da sapatilha de balé

eu eratã criança e ainda sou

1 – eu sou melhor do que isso

2 – não é vc, sou eu

3 – vc é a mulher mais maravilhosa que conheci, não te mereço

4 – é que não quero ter nenhum relacionamento sério no momento, mas se quisesse, seria com vc

5 – por que eu deveria ter te ligado no dia seguinte?

a cura está na praia

a cura para todo mal

%d blogueiros gostam disto: