a mitologia da felicidade*

10/12/2010

Com urgência, entrei na primeira ótica que vi, pra comprar lentes de contato. Fui tratada como uma rainha. Pessoas simpáticas, hiper eficientes e à vontade, sem excesso de treinamento. No fim da compra, papo descontraído, o cara que me atendeu dá uma geral nos óculos de sol que estou usando, me dá um brinde e abre os braços para me dar um abraço: “Felicidades pra vc!”, nos abraçamos afetuosamente. A moça também vem me dar um abraço: “Deus te abençoe, linda!”. Tudo me pareceu verdadeiro. Saltitei pra fora da loja, com 10 anos de idade, bombeando amor universal pelas ruas de Ipanema.

Quando a gente tá contente… baratotal. Aquela felicidade hare krishna de sorrir pra tudo, com verdade. Estar contente é o que? Contente vem de contentamento, que o Aurélio descreve como: “sentimento de prazer, alegria.”

Hoje confirmei que o contentamento, pra mim, não tem nada a ver com alcançar as condições que estabeleci como básicas para ser feliz, tipo a grana, o trampo, o amor.  A tal “mitologia da felicidade”: se eu tiver tanta grana, tal trabalho e um amor x, então serei feliz. Mas tem a ver com a decisão de ficar contente. Atualmente estou em treinamento íntimo pra sempre escolher sorrir, e mudar o curso da história daquele momento na base do sorriso.

Peço perdão a todas as correntes que não vou citar, para dar a minha teoria do que é realmente transformador: as lentes e a prática do contentamento. Mudar a minha perspectiva do mundo muda o mundo para mim.  E nao o mundo em si, que é sempre exatamente o mesmo fucking bloody multifacetado wild mundo. E nunca vai poder ser diferente, porque ser mundo é ser isso, é ser tudo.  Tipo gente. Gente é tudo.

*li esse conceito no The cow in the parking lot – A Zen Approach to Overcoming Anger, de Leonard Scheff e Susan Edmiston, que acabei de traduzir pra Ed. Objetiva. Merece a leitura, para além dos domínios da autoajuda.

Anúncios

7 Respostas to “a mitologia da felicidade*”

  1. Clap clap clap!!! É isso aí, quando a gente tá contente tanto faz o quente, tanto faz o frio… Eu sou pelo contentamento amplo, geral e irrestrito.

    Curtir

  2. Marfiza said

    Dedéia… que lindo isso! Em se tratando de comprar lentes de contato isso se torna ainda mais especial, pois de que adiantaria boas lentes pra ver o mundo melhor se o mundo que interessa pra nós é o que enxergamos… e se enxergamos com o coração… logo, era preciso mudar o foco das lentes do coração e vc. está fazendo isso. Many kysses honey pie.

    Curtir

  3. soraya said

    vou em busca do The cow in the parking lot – A Zen Approach to Overcoming Anger. e você ainda traduz… profissionalmente. que sorte, a nossa.

    Curtir

  4. MArf, que observação maravilhosa! juro que nem eu mesma tinha visto o tamanho da metéfora! rs seus olhos sensíveis que viram, tá vendo só? td depende do olhar 😉 bjao

    Curtir

  5. sô, vá, sim! Esse livro foi a primeira tradução da minha vida, amei, quero mais! Depois que sai do JB resolvi tentar investir nesse outro lado. Tô caçando… beijão, obrigada pela gentileza de sempre, muito fofa 🙂

    Curtir

  6. Moyseis Marques said

    Eu tô que é puro contentamento, por mim e por vc , transbordante em palavras. Vou atrás da vaca no estacionamento, com aquele mesmo bom humor irritante…
    E o Natal ? Vem ? Bj !

    Curtir

  7. moy, meu contentamento nao tem fim! vou, sim, no dia 25, pode?

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: