reflexões sobre o fim

09/06/2010

O I ching, oráculo chinês das antigas, tem lá um jeitão todo particular de dar recados, tipo assim:

“Retirar-se não é o mesmo que fugir. Na fuga, busca-se apenas salvar a si mesmo, a qualquer preço. A retirada, ao contrário, é um sinal de força.”

Eu sou do tipo última-a-sair. Obsessiva, compulsiva e lenta nos movimentos. Mas até eu sei que tem uma hora em que tem que pedir a conta, pagar, levantar e sair. E dar as coisas por terminadas. Desapegar, desencanar, acreditar que o fim não é necessariamente ruim. O fim pode ser encarado como começo.

A gente, muitas vezes, insiste em permanecer onde está, por apego e por achar que a gente pode dominar tudo e mudar o rumo das coisas.  Muitas vezes esgarcei intenções, requentei desejos e tentei reeditar sonhos, em vão. Eu também sou do tipo que acha que tudo na natureza, incluindo nós, funciona em ciclos. Amor, casamento, namoro, amizade, trabalho, fases, lugares, turmas. Não é só o que é ruim que tem que acabar. Coisa boa também acaba. Eis a questão: a hora de pedir a dolorosa e bater em retirada com toda honra e toda glória.

Anúncios

14 Respostas to “reflexões sobre o fim”

  1. pedro said

    Belo texto, cheio de verdade. E a foto… Deliciosa.
    Parabéns.

    Curtir

  2. pedro, o negócio é ir até o fim, mas ir bem, né? bj

    Curtir

  3. elisa said

    lendo pensamentos, né sua leoa finalística

    Curtir

  4. uma vez leoa e canceriana, sempre leoa e canceriana, até o amargo fim 😉

    Curtir

  5. é a lua, querida 😉

    Curtir

  6. madoka said

    Como é bom vir aqui. suas fotos estão lindas.
    bjs

    Curtir

  7. soraya said

    e a legenda da foto. coisa maravilhosa. pelo visto você andou telepatiando com um monte de gente ou o mundo está mesmo em plena rotação…

    Curtir

  8. so, essa musica é uma coisa, né? não tenho coragem nem de cantar! rs

    Curtir

  9. to toda satisfeita com a minha cam nova, madoka! obrigada, bj

    Curtir

  10. maray said

    eu também acho que a vida é um pouco por ciclos. Aquele lance de tempo pra semear e tempo pra colher. O problema é meu estômago, que reluta em aceitar isso e minha gastrite. Agora mesmo fecho um ciclo e meu ninho fica vazio de filhos. E eu sofro pra caramba. Como dói! Mas tudo há de ser para o bem. E viva o Dr. Pangloss!

    Curtir

  11. maray, resveratrol, a enzima megapower do vinho, é maravilhosa pra gastrite. compra as cápsulas! vou te mandar uma matéria que escrevi sobre ela, por email. ou entao vc bebe, o que ainda dá onda e relaxa. ou então dança tango. Ciclo é ciclo. Doa a quem doer;) beijão, fique bem

    Curtir

  12. Angèle said

    Difiiiiicil, mas é isso aí minha nega! é verdade que vc. anda me saindo uma trompetista ou melhor pistonista , rs de mão cheia. Isso aqui vai virar oráculo já, já, tal a parabolicamaragem da autora! Ama

    Curtir

  13. ahahah, au contraire, acho que esse é o mal da humanidade, né? tá tudo mund nessa!!! rs

    Curtir

  14. Angèle said

    Pois então. Só confirma a sua sintonizaćão finíssima com o momento presente. Afinal, não é este o principio do I-Ching e todos os outros, sua leoa délfica?

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: